Garimpos ilegais são desmontados pelo Ibama e Polícia Federal no Mato Grosso


INVESTIGAÇÃO

Os danos ambientais imediatos chegam à casa de R$ 46 milhões, só com a atividade mineradora

A Polícia Federal (PF), em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), finalizou nesta quinta-feira (3) a Operação Ibi-Çoroc de combate à extração de ouro e desmatamento ilegais no Parque Nacional do Juruena (PNJu), em Nova Bandeirantes, região norte de Mato Grosso.

Continua depois da Publicidade

Segundo os levantamentos preliminares da perícia da PF, os danos ambientais imediatos chegam à casa de R$ 46 milhões, só com a atividade minerária, e de R$ 300 milhões, com o desmatamento ilegal financiado pela mineração.  As investigações policiais revelaram que, ao se apropriar de terras públicas, os grileiros se associaram a garimpeiros para explorar a área, mediante a cobrança de um percentual do minério extraído. 

Os criminosos instalavam o maquinário de mineração perto dos cursos d’água estreitos e rasos, o que causou o desmatamento de áreas de floresta primária e degradação de igarapés intocados. A partir do monitoramento georreferenciado, a emissão de alertas de desmatamento e mineração ilegal permitiu aos agentes federais identificar os crimes em estágio inicial, com localização de 24 novas frentes de lavra de mineração ilegal, assim como de seus acessos.

De acordo com as Imagens de satélites do Programa Brasil M.A.I.S. (Meio Ambiente Integrado e Seguro), sob a coordenação do Ministério da Justiça e Segurança Pública, mostraram que garimpeiros e grileiros praticavam delitos em terras da região, com a devastação de áreas de proteção ambiental, além de desmatamento e grilagem (posse ilegal) de terras públicas. 

Continua depois da Publicidade

Em língua Tupi, o termo Ibi-Çoroc significa terra rasgada, e foi usado na operação para se referir à ação dos garimpos ilegais que promovem a erosão das margens, o desvio e o assoreamento do curso dos rios. 

Continua depois da Publicidade

Toda essa ação criminosa resultou em um total de 260 hectares de áreas recém abertas, sendo 95 delas, no interior do Parque do Juruena.  Os agentes das três instituições fizeram infiltrações por terra e constataram a existência de frentes de lavras garimpeiras recém-abertas.

Para coibir novas investidas criminosas, descapitalizar o grupo e combater ameaças ao meio ambiente, todos os equipamentos de extração de minérios instalados e em operação nas lavras ilegais foram inutilizados ou destruídos, sendo cinco escavadeiras hidráulicas de médio e grande porte, dez dragas (conjunto motor-bomba de recalque em instalações hidráulicas), além de acampamentos com estrutura de refeitório e alojamento para os garimpeiros.

Na operação, que teve início no dia 1°, foi preso o presidente da Cooperativa de Mineração de Nova Bandeirantes (Cooperrios), responsável pela operação ilegal de garimpo na região, sem autorização de lavra da Agência Nacional de Mineração. A estimativa é que a pena somada dos crimes referentes ao garimpo ilegal chegue a seis anos de prisão. 

De acordo com a Polícia Federal, estima prejuízo imediato de mais de R$ 4 milhões aos infratores, e as investigações e investidas das forças do Estado contra os delitos ambientais vão continuar, enquanto isso, novos procedimentos devem ser adotados para que seja cobrada a reparação de danos impostos à sociedade e ao meio ambiente.